11/02/2017 15:00

MPF denuncia executivos por corrupção no Metrô

Segundo MP, grupo recebeu propina na construção da Linha 5-Lilás. Valorem chegam a R$ 26,3 milhões

Por: Diário SP

Linha 5-Lilás sob suspeita / Foto: Divulgação

Seis executivos das multinacionais Siemens, Mutsi e Alstom, dois ex-diretores da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e um intermediário foram denunciados na sexta-feira (10) por lavagem de dinheiro pelo Ministério Público Federal (MPF). O grupo foi responsável por um esquema de corrupção na construção de um trecho da Linha 5-Lilás do Metrô de São Paulo.

Segundo o MPF, o cartel foi organizado entre 1999 e 2000 durante o mandato do governador Mário Covas (PSDB). De acordo com os procuradores, os acusados utilizaram empresas de fachada e contas no exterior para lavar o dinheiro da corrupção.

Os executivos ocultaram pagamentos de valores indevidos por meio de empresas de consultoria, segundo o MPF. As propinas chegaram a 5% dos contratos, alcançando um total de R$ 26,3 milhões.

O MPF sustenta que o acordo entre as empresas assegurava que cada uma delas ficasse com uma parte do projeto de instalação da linha, impedindo a concorrência.

Dois diretores da CPTM, João Roberto Zaniboni, diretor de Operação e Manutenção da empresa entre 1999 e 2010, e Ademir Venâncio de Araújo, que coordenou as áreas de Engenharia e Obras entre 2004 e 2011, teriam sido beneficiários do esquema.

"A formação do aludido cartel também era de interesse de ex-diretores da CPTM, como Ademir e João, pois ele viabilizava a conclusão mais célere do procedimento licitatório", afirmaram os procuradores.

Os pagamentos eram feitos por meio de dois operadores, Arthur Gomes Teixeira e Sergio Meira Teixeira, que assinaram contratos de prestação de serviços de consultoria nunca executados.


Compartilhe: