05/01/2017 16:01

Praça 14 Bis fica suja 2 dias após mutirão

Local foi limpo na segunda-feira (2), mas, na quarta (4) já estava tomado por lixo e cheiro ruim

Por: Renan Xavier
renanxavier@diariosp.com.br

Foto: Rena Xavier/DiárioSP

Dois dias depois de ser palco de “limpeza simbólica” durante estreia do programa de zeladoria Cidade Linda, a Praça 14 Bis, na Bela Vista, na região central, está com os mesmos problemas: feia, suja e cheirando mal. São alguns indícios de que o programa deverá ser alvo constante de fiscalização popular.

Retirados do local às vésperas do mutirão de limpeza, os moradores de rua da região voltaram a armar suas barracas às margens da Avenida 9 de Julho, via que liga a região dos Jardins, área nobre da Zona Oeste, ao degradado Centro da capital.

Mas enquanto a maioria dos moradores de rua retomava a rotina, o zelador Walace de Paula Gonçalves, de 36 anos, lamentava ter perdido, de uma só vez, o emprego e o abrigo. Foi “despejado” na manhã de ontem de um cômodo onde morava com a mulher, no pátio embaixo do viaduto Dr. Plínio de Queiroz, que passa sobre a Praça 14 Bis. O pátio era improvisado como estacionamento pelos moradores de prédios da Avenida 9 de Julho. Walace cuidava dos veículos e morava em  uma espécie de sala do local.

“Quando cheguei de manhã tinha um cadeado. Os guardas disseram que eu não poderia ficar mais ali, para que pegasse minhas coisas e fosse embora”, relatou o zelador.

No entanto, ele garantiu que a própria secretária de Assistência Social, Soninha Francine, havia prometido, durante a ação da Prefeitura na segunda-feira, que ele poderia continuar no local. “Não durou nem dois dias essa promessa”, afirmou.

Questionada por meio de sua assessoria, Soninha não se manifestou até a conclusão desta edição. Em nota, a Guarda Civil Metropolitana disse que está de plantão “para garantir o uso público do espaço, em projetos que estão sendo discutidos com a comunidade”. Disse ainda que estudará um encaminhamento para o casal.

“Nós não queremos abrigo, queremos trabalho e dignidade”, disse Debora Moreira, 37, que também vive na praça. Ela critica a rigidez dos abrigos. Em entrevista, Soninha classificou o horário de funcionamento de abrigos como “militaristas”. Na segunda, o prefeito João Doria disse que os albergues funcionarão 24 horas em sua gestão.

Alckmin repassa R$ 84 mi a assistência social da capital

Em primeiro ato conjunto  entre governo do estado e Prefeitura, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) autorizou ontem o repasse de  R$ 84 milhões para ações de assistência social realizadas pela gestão do também tucano João Doria, seu afilhado político.

 Maior parte dos recursos, R$ 64 milhões, vem do Feas (Fundo Estadual de Assistência Social) e não é novidade, sendo repassados ao município todo ano. Os R$ 20 milhões restantes são dos programas Ação Jovem e Renda Cidadã.

Alckmin prevê que os recursos vão beneficiar 100 mil pessoas, principalmente a população de rua, idosos, crianças e pessoas com deficiência.


Compartilhe: