19/02/2014 21:33

Mãe pediu ajuda para a empregada

Célia ligou para a diarista e contou que o marido tinha se jogado do apartamento abraçado com o filho

Por: Diário de S. Paulo

POR: Amanda Gomes 
Especial para o DIÁRIO

A química Célia Pesqueiro, de 49 anos, ligou para a  empregada da casa após seu  marido, o professor de inglês Edemir de Mattos, 52 anos, ter se jogado abraçado com o filho de 6 anos do 13 andar do prédio onde moravam.

O casal tinha brigado minutos antes e Edemir agrediu Célia. Em seguida,  pulou com o menino Ivan Pesqueiro do  apartamento  na Avenida Manoel Pedro Pimentel, em Osasco, na Grande São Paulo.

De acordo com a empregada, que tentou visitar a patroa nesta quarta no hospital e conversou com o DIÁRIO sob a condição de não ter seu nome revelado,  Célia sofria de  problemas emocionais e sempre que podia recorria a ela, como no dia da tragédia.

“Ela disse que ele tinha acabado com o rosto dela. No começo achei que era exagero, mas depois ela contou que ele havia pulado do prédio. Minha reação foi perguntar pelo menino. Aí ela me  disse que ele tinha caído junto. Não acredito até agora”, desabafou, visivelmente transtornada.

A mulher trabalha há sete anos na casa da família. Segundo a diarista, Edemir nunca foi violento ou a tratou mal, mas ela sabia das constantes brigas do casal  e das agressões contra Célia.

Por ter  acompanhado toda a gestação da patroa e ajudado na criação de Ivan, ela considerava o menino como um filho. “Eu o amava demais. Tentei entrar no apartamento, mas não tive coragem”, contou. Célia  teve a confirmação da morte do filho no hospital. 



Compartilhe: