21/10/2013 00:00

Novo terminal em Santana preocupa comerciante

Projeto para a construção de um novo terminal em Santana vai desapropriar 45 imóveis no bairro


Haddad quer desapropriar os comerciantes para construir terminal / Hilton de Souza / Diário SP


Por: Jéssica Lima/ Especial para o Diário SP

A possibilidade de ser construído  um novo terminal de ônibus em Santana tem assustado moradores e comerciantes do bairro. Isso porque a área escolhida pela Prefeitura é exatamente o quadrilátero de quase 14 mil metros quadrados onde funciona hoje  um dos  principais pontos comerciais  da Zona Norte. O projeto, já apresentado como definido pelo governo Fernando Haddad (PT), vai desapropriar todos os imóveis  entre as ruas Voluntários da Pátria, Leite de Morais, Darzan e Avenida Cruzeiro do Sul. 

O terminal é uma das promessas de campanha do petista, que pretende também construir “modernos corredores de ônibus na região” com o objetivo de  priorizar o transporte coletivo. O problema que está deixando os lojistas de cabelo em pé  é que se o local não for alterado,   cerca de 45 imóveis serão demolidos, o que tem causado grande mobilização de  entidades representativas do bairro e comerciantes.

“Ficamos sabendo somente no mês passado (da construção do terminal). Isso vai gerar uma grande onda de desemprego aqui”,  diz Silvia das Neves, de 35 anos, subgerente da Drogasil. “A loja estava sendo reformada e veio uma moça com a notificação dizendo para parar as obras porque tudo  ia ser demolido”, comenta Lilian Zhu, 17,  da ZW Bijuterias. “O que mais nos deixou amedrontados foi saber que as obras estão previstas para o começo do ano que vem”, diz Luciana Bittencourt, 37, gerente da loja Darco.

No início do mês uma manifestação marcou a contrariedade de o novo terminal ser construído naquele local. “Nós baixamos a portas e ficamos na rua”, conta Priscila Sobrado da Cruz, 20, atendente da ZW Bijuterias. Uma comissão foi formada para tentar marcar uma audiência com Haddad.

O novo terminal vai ser dividido em três pavimentos: no inferior estarão localizadas as plataformas de embarque e desembarque de passageiros das linhas estruturais, no térreo, as plataformas das linhas locais e estacionamentos de ônibus e no mezanino, o apoio operacional.

Três locais foram apresentados como alternativa para obra
Segundo o vereador Nelo Rodolfo (PMDB),  outros três locais foram apresentados ao superintendente de projetos da SPTrans, Roberto de Moraes Moura,  como alternativas para a construção do terminal em Santana.  “Foram duas horas bem proveitosas e o superintendente solicitou um prazo para elaborar o estudo sobre a viabilidade. Estamos esperando que ocorra a suspensão do decreto”, diz o peemedebista.

Em nota, porém, a SPTrans reafirmou que o local  já foi definido e as obras começam em janeiro de 2014 (veja ao lado). O decreto de utilidade pública foi publicado no “Diário Oficial do Município” no dia 8 de agosto. Nele, uma área de 13.675 metros quadrados é colocada para fins de desapropriação. Caso não haja acordo com os proprietários, o caso vai para a Justiça, que determina um perito para avaliar o valor venal de mercado dos imóveis e estipula o quanto a Prefeitura tem de pagar aos proprietários. A intenção do governo, segundo a SPTrans, é não precisar chegar ao Judiciário. 

MAIS

Obras estão previstas para começar em maio de 2014
Em nota, a SPTrans informou que a obra está custeada em R$ 91 milhões, com início previsto para maio de 2014  e término em novembro de 2015. O intuito desse terminal é organizar as linhas de ônibus da região e desafogar o sistema junto à Estação Santana do Metrô,  que atualmente apresenta sinais de saturação. Além disso, a construção vai atender os passageiros do futuro Corredor Norte-Sul, além de integrar as linhas estruturais, locais e o Metrô. “A Prefeitura, por meio da SPTrans, permanece em processo de diálogo com a população para prestar os esclarecimentos necessários e, ao mesmo tempo, receber as possíveis sugestões de aprimoramento do projeto”, diz a nota.

Compartilhe: