Diário de S. Paulo

10/01/2018 - 17:19

Sabrina Petraglia diz que descobriu não ser tão feminista

Atriz revela que vai se casar em cerimônia celebrada pela sogra

Por: Agencia O Dia
[email protected]

Foto: Divulgação/Globo

O amor está em alta para Sabrina Petraglia. Na vida e na arte. De um lado, em "Tempo de Amar", a atriz vive como a corajosa Olímpia o impasse de se render ao desejo do amado Edgar (Marcello Melo Jr.) e se casar ou dedicar-se às lutas femininas e sociais.

Na vida, Sabrina está decidida e feliz com sua união de quase seis anos com o engenheiro Ramón Velázquez. Tanto que o casamento acontecerá logo após o término do folhetim. "Caso dia 30 de abril. Não vai ser uma grande festa, vai ser íntimo, para a família e amigos", detalha. "Uma comemoração com cerimônia que eu mesma estou escrevendo e minha sogra vai celebrar. Nada melhor que casar com a benção da própria sogra, que é ótima, bem diferente da Olímpia, que teve problemas com a dela", diverte-se a atriz da trama das seis.

Na novela, o final feliz, pelo menos no campo afetivo, ainda é incerto. Edgar acaba de pedir a amada em casamento, mas Olímpia desconversou, dizendo que o momento é de atribulações nos movimentos do Grêmio e nas lutas sociais que encontra-se envolvida.

"Em 1929, os maridos mandavam nas mulheres. A Olímpia não entende porque uma relação de amor precisa ser oficializada pelo Estado. Fica com um pouco de medo. Não quer ninguém mandando nela", pondera. "Ela ama o Edgar, mas nas discussões do Grêmio, ele se mostra um pouco machista. Para a personagem, o caráter social é importante. Espero que ela brilhe falando destas questões", torce.

No entanto, ela esclarece que Olímpia não é contra o casamento. "Ela apoia o irmão, Vicente (Bruno Ferrari), que vai casar com Maria Vitória (Vitória Strada). Na verdade, ela respeita a vontade da mulher. Seja qual for". E adianta, aos risos: "Olímpia e Edgar vão brigar feio. E não acho que ela seja mulher de vai e volta. Então, ele que se cuide. Ela está desabrochando e vai dar uma surra de pétalas nele", afirma Sabrina.

através do tempo/ A personagem da paulista defende ideias feministas - e reivindica, por exemplo, o direito ao voto, não garantido ainda na época. Sabrina encara como um privilégio dar voz às lutas femininas por igualdade. "No começo da novela, eu me considerava feminista. Mas no decorrer do trabalho, vi que não era tanto. Nos detalhes, vi que não tinha atitudes machistas, mas fui educada dentro desta sociedade e muitas vezes reproduzimos um sistema. Então, com muita delicadeza comigo vou revendo atitudes. E levanto, sim, uma bandeira de orgulho de ser mulher e das mulheres que defendem o que acreditam".


Compartilhe: