Diário de S. Paulo

09/01/2018 - 18:17

Marília Mendonça tem parte dos bens bloqueados

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais determinou congelar cerca de R$ 100 mil pelo show cancelado

Por: Giovanni Oliveira
[email protected]

Foto: Ageu Silva/Divulgação 

Essa semana não começou muito bem para a cantora Marília Mendonça. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) expediu na última segunda-feira um bloqueio de parte dos bens dela, sob o argumento de arrecadar fundos para ressarcir aqueles que compraram ingressos para seu show em Araguari, no Triângulo Mineiro, que foi cancelado duas vezes devido a condições climáticas desfavoráveis.

A primeira apresentação estava agendada para o dia 3 de fevereiro de 2017, mas por causa de fortes chuvas, foi adiado para o dia 9 de março. No entanto, nesta segunda data também choveu muito forte, e o show teve de ser cancelado mais uma vez. Para a tristeza dos fãs, não houve um novo reagendamento.

Os consumidores que adquiriram os ingressos antecipadamente e não tiveram o valor ressarcido realizaram reclamações no Procon-MG, originando o processo. Na época, foi dado um prazo de 90 dias à cantora, à contratante Juliana de Lima Melo Alves e à produtora do evento Workshow para devolver o dinheiro, mas ele não foi cumprido. A decisão do TJ-MG determina o congelamento de R$ 100 mil em bens, ou seja, cerca de R$ 33 mil de cada parte envolvida.

Procurada pelo DIÁRIO, a assessoria de imprensa da cantora emitiu uma nota na qual diz que "a devolução dos valores referentes aos ingressos cabe única e exclusivamente ao contratante do show, mesmo porque, os valores arrecadados na bilheteria não foram repassados, a artista não recebeu o cachê, justamente por não ter acontecido as apresentações".

A nota ainda informa que a cantora e a WorkShow sempre arcaram com seus compromissos e que o departamento jurídico da empresa entrará com recurso para que tudo fique dentro da lei. Uma audiência de conciliação deve acontecer no próximo dia 18.


Compartilhe: