Diário de S. Paulo

11/01/2018 - 16:43

Diego Souza recebe a 9, mas não escolhe posição

Seja para atuar como 9 ou como 10, Diego Souza chega querendo ajudar, fazer gols e, quem sabe, ir à Copa

Por: Marta Teixeira
[email protected]

Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Centroavante ou meia-atacante... Substituto de Lucas Pratto ou opção para o ataque pelo meio? Apresentado pelo diretor executivo Raí, Diego Souza ganhou a camisa com o número 9 nas costas, mas não importa onde o técnico Dorival Júnior pretende utilizá-lo, o reforço garante que vai se sentir à vontade em qualquer posição que assuma no São Paulo.

"Não estou preocupado sobre jogar como 9, como 10, pelo lado... Quero jogar e estar bem, podendo ajudar. Cada um tem sua característica. Se tiver de jogar de 9, estou acostumado. De 10, também. Vai depender do Dorival", disse.

Com a saída de Lucas Pratto (vendido ao River Plate) e Hernanes (chamado pelo Hebei China Fortune), o veterano, de 32 anos, também está preparado para assumir uma posição de liderança no grupo. Contudo, evita ser específico quanto à herança da braçadeira de capitão. "Isso é relativo. Venho com experiência, sim, para ajudar os companheiros. Vamos conversar bastante. O mais importante é ajudar da melhor maneira que eu puder. Sendo esse líder ou não, vou dar o melhor", prometeu o recém-chegado.

Principal contratação do Tricolor para a temporada, o novo dono da camisa 9 está confiante na possibilidade de fazer uma temporada ainda melhor do que a de 2017. No Bahia, Diego Souza fechou o ano passado com 21 gols. Agora no São Paulo, evita apenas estabelecer uma meta numérica. "Gosto de fazer gols, mas não estabeleço meta. Quero ajudar com assistências e gols. Dá para superar (o desempenho do ano anterior), com o time qualificado que o São Paulo tem. O objetivo é sempre superar, fazer dessa a melhor temporada", avisou.

SELEÇÃO/ Além da disputa por títulos com o Tricolor, Diego Souza também espera brigar por um lugar na seleção e, quem sabe, uma vaga para a Copa do Mundo, em junho. "Tenho o objetivo de jogar a Copa do Mundo, mas o principal é estar aqui (no São Paulo) de corpo e alma, ajudando a buscar títulos, que é a tradição do São Paulo."

Com a lesão de Gabriel

Jesus, o são-paulino pode voltar a ser chamado.

"O Tite me conhece. Tenho de estar bem, como meia-armador ou centroavante. Não vejo muitos números, não acompanho nem os meus, mas tenho de fazer gols. Só assim pode-se conquistar o torcedor e uma vaga na seleção. Tenho chances e quero fazer parte do grupo. O mais importante é começar bem e mostrar que tenho condições", analisou.


Compartilhe: