Diário de S. Paulo

12/01/2018 - 17:02

Grande São Paulo tem noite sangrenta

Cinco pessoas foram assassinadas a tiros e outras três ficaram feridas na madrugada desta sexta-feira (12), em duas cidades diferentes, no período de 1h30. Segundo a Polícia Civil, as ocorrências não têm qualquer relação

Por: Ana Paula Bimbati
[email protected]

Foto: /Reprodução

Em um período de pouco mais de 1h30, ao menos cinco pessoas morreram e outras três ficaram feridas na madrugada desta sexta-feira (12), em Guarulhos e Carapicuíba, ambas na Grande São Paulo.

O primeiro ataque aconteceu na Rua Severino Salgado de Vasconcelos, em Carapicuíba, por volta das 22h40 de quinta-feira.

Segundo o boletim de ocorrência, as vítimas: uma jovem de 17 anos, uma adolescente, 12, e dois homens com 26 e 44, conversavam em frente a um bar, quando um carro preto, não identificado, passou e um dos ocupantes atirou contra o estabelecimento.

A estudante Renata Batista dos Anjos morreu no local com quatro tiros no pescoço. As outras três vítimas tiveram ferimentos na perna, abdômen, quadril e foram encaminhados para hospitais da região.

Segundo familiares de Renata, a jovem brincava com crianças. No boletim de ocorrência, a polícia afirma que o local funcionava como ponto de tráfico de drogas.

Cerca de 10 minutos depois, a 3 quilômetros dali, na Rua Cordeirópolis, um homem de 38 anos morreu após ser baleado. Segundo a Polícia Militar, ele foi atingido na cabeça, tórax e costas. As duas ocorrências foram registradas no 1º DP de Carapicuíba como homicídio simples.

GUARULHOS/ Por volta das 0h05, na Rua Pernambuco, em Guarulhos, três homens morreram baleados em frente a um bar.

Segundo relato de testemunhas, um veículo passou pelo local e atirou contra o trio. O estudante Max Bruno Carvalho, 30, e os desempregados Alexandre Salles Corrêa e Robson Barbosa de Andrade, ambos de 34 anos, morreram no local.

A SSP (Secretaria de Segurança Pública), sob gestão Geraldo Alckmin (PSDB), informou que foram encontrados projéteis no local do crime, mas sem as cápsulas. O caso foi registrado como homicídio no 7 º DP de Guarulhos.

Neste ano, a Grande São Paulo registrou ao menos três chacinas. Ninguém ainda foi preso pelas ocorrências.

MP vai investigar primeira chacina do ano na Zona Norte

O Ministério Público vai entrar na investigação da primeira chacina do ano da capital que deixou quatro mortos e dois feridos na Vila Miriam, Zona Norte da cidade. O caso ocorreu domingo.

Em nota, o MP informou que a promotora Renata Cristina de Oliveira ficou responsável pela investigação com o delegado Antônio Carlos Cândido Araújo, da 3ª Delegacia de Homicídios do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa). "No momento promotora prefere não se manifestar", disse o órgão.

Segundo informações do portal Ponte, o ouvidor das polícias Júlio César Fernandes Neves, pediu a entrada do MP no caso após a perícia encontrar balas de calibre ponto 40 nas ruas onde ocorreu a primeira chacina de 2018.

O calibre é de uso exclusivo das polícias. Quatro cápsulas foram recolhidas, sendo que três estavam ao lado do corpo de uma das vítimas, na Rua Brasilina Vieira Simões. Uma quarta bala se encontrava perto do cadáver de um jovem na Rua Duarte Moreira.

"Essa situação da .40 nos obriga a cobrar que o Ministério Público participe da investigação", afirmou Neves ao portal.


Compartilhe: