Diário de S. Paulo

08/01/2018 - 18:56

SP: Vacinação contra febre amarela começa em fevereiro

Após 13 mortes no intervalo de um ano, governo promete imunizar o estado contra a febre amarela. Doses concentradas serão aplicadas em áreas de risco, como o litoral

Por: Ana Paula Bimbati
[email protected].com.br

Foto: Reprodução

A partir de fevereiro, todos os paulistas poderão se vacinar contra a febre amarela. No sábado, o governo estadual anunciou a imunização para todo o estado após a confirmação da morte de duas pessoas, na região metropolitana, por conta da doença.

No dia seguinte, a Prefeitura de Guarulhos confirmou que um idoso morreu infectado pelo vírus. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, todas as vítimas passaram pela cidade de Mairiporã, que fica a 39 quilômetros da capital e tem uma das maiores florestas urbanas do mundo.

A data exata para que a vacina seja liberada no mês que vem será confirmada hoje, em uma reunião entre o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e o secretário adjunto de Saúde do estado, Eduardo Ribeiro Adriano, em Brasília.

Segundo a diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica do estado, Regiane Cardoso de Paula, desde 2016 o governo atua intensificando a imunização.

A ideia inicial é aplicar a dose concentrada nas regiões de risco, como o litoral, seguindo recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde), de oferecer única dose. Depois, o governo vai oferecer a vacina fracionada nas áreas com menor chance de o vírus aparecer.

"Quem vai para uma área de risco, para a mata, precisa tomar a vacina. Se alguém, que mora na Sé, não vai para uma região de perigo, não tem por que tomar vacina", explicou Regiane.

O governo espera vacinar toda população em um ano.

Em balanço divulgado nesta segunda-feira (8), a pasta da Saúde informou que de janeiro de 2017 até o dia 8 de janeiro de 2018 foram registrados 29 casos de febre amarela e 13 mortes em decorrência dela.

Segundo a diretora do centro, todos os óbitos foram de pessoas que visitaram áreas de risco e não se vacinaram.

"Só temos uma forma de evitar: vacinação. Não deve haver pânico, mas é importante procurar a vacina. E, obrigatoriamente, para quem for se aproximar de uma área de mata", disse o governador Geraldo Alckmin (PSDB), durante agenda pública ontem.

A vacina só não é recomendada para grávidas, mulheres que estão amamentando, pessoas que fazem quimioterapia, portadores de HIV e transplantados.

TERCEIRA VÍTIMA/ O idoso, morador de Guarulhos, que teve óbito confirmado na sexta-feira, morreu uma semana após visitar um sítio em Mairiporã. Segundo sua filha, ele reclamava de náuseas e queimação na garganta.

O homem esteve na área rural nos dias 16 e 17 de dezembro e morreu no Natal.


Compartilhe: