Diário de S. Paulo

03/01/2018 - 13:50

Prefeitura de SP proíbe salsicha na merenda

Doria sancionou lei que veta a oferta de embutidos aos alunos da rede municipal. Tucano vetou dois pontos do projeto, um deles multava empresas

Por: Ana Paula Bimbati
[email protected]

Foto: /Divulgação

O prefeito João Doria (PSDB) sancionou uma lei que proíbe a oferta de embutidos como salsichas, linguiças, salames e mortadelas nas escolas da rede municipal.

Segundo o decreto, publicado nesta quarta-feira (3) no "Diário Oficial da Cidade", "entende-se como embutidos os alimentos produzidos pelo enchimento de tripas de animais ou artificiais (feitas com colágeno) com recheio à base de carne, vísceras, gordura, sangue, especiarias e outros ingredientes como conservantes, aromatizantes".

A Prefeitura também informou que fará uma campanha entre professores, alunos e funcionários das escolas e creches para alertar o perigo para a saúde das crianças ao ingerir alimentos embutidos.

O objetivo, segundo a administração municipal, é "dissuadir o consumo também em seus lares ou no lazer".

O projeto de lei é de autoria do vereador Gilberto Natalini (PV). Para o parlamentar, o consumo excessivo de embutidos pode causar obesidade, diminuir a expectativa de vida, aumentar a incidência de doenças coronárias e diabetes.

Doria vetou dois pontos do texto original. Um deles proibia o consumo desses alimentos em ocasiões especiais como festas. A justificativa da Prefeitura é que isso "não comprometeria o hábito saudável já construído".

Outro ponto vetado pela administração previa multa para as lanchonetes em caso de descumprimento. O valor era de R$ 500.

"Não há lanchonetes na rede municipal de ensino e as empresas operadoras de cozinha (gestão mista) trabalham com matéria prima fornecida diretamente pela Codae (Coordenadoria de Alimentação Escolar)", justificou a Prefeitura.

A lei será regulamentada em até 60 dias e entra em vergo vigor nos próximos 60.

POLÊMICA/Em outubro, o chefe do Executivo se envolveu em uma polêmica ao anunciar que iria oferecer farinata, espécie de produto feito por alimentos perto da data de vencimento, às crianças.

No entanto, o prefeito recuou e em novembro anunciou uma ampliação na compra de alimentos orgânicos para merenda escolar.


Compartilhe: