Diário de S. Paulo

10/01/2018 - 19:00

Será que o Timão vai conseguir viver sem Jô?

Por: Marcelinho Carioca
[email protected]

Foto: () © Jr., Daniel Augusto

A alta dependência do principal jogador e referência no ataque fará o Corinthians continuar mostrando muita força em 2018 ou o transformará em uma equipe igual às outras? Com a principal jogada aérea e brigando pela segunda bola, Jô, o centroavante goleador e base do ataque alvinegro, fez o Corinthians ter muita força no Brasileirão, abrindo ampla vantagem para a conquista do sétimo título nacional. Mas conseguirá o time do Parque São Jorge suprir essa ausência?

Será que Fábio Carille vai encontrar uma alternativa para armar a equipe, já que é muito evidente que ele pensou o esquema tático totalmente voltado para uma formação que trabalhe com aquela referência no ataque, aquele camisa 9? Algumas respostas que, claro, teremos nos próximos dias. O treinador já foi capaz de pegar um elenco que tinha limitações e transformá-lo em um time extremamente competitivo, que, de “quarta força” no início de 2017 terminou o ano com algo que nenhum outro clube do futebol paulista conseguiu, duas taças embaixo do Brasil. Não vamos nos esquecer de que, além do nacional, o Timão também foi campeão paulista. Nos dois títulos, com extrema participação de Jô. No Brasileirão, ele  foi o artilheiro, ao lado de Henrique Dourado, do Fluminense, com 18 gols.

Caso ninguém chegue, Carille vai precisar pensar em uma alternativa. Hoje, no elenco, tem apenas o turco Kazim e o garoto Carlinhos, de 20 anos, para jogar naquela posição. Os dois, no entanto, não estão preparados para assumir a bronca, principalmente em um ano que terá disputa de Libertadores. Agora, é esperar e ver como as coisas vão andar.

Na Chapa

Com a falta de camisas 9 no mercado com a mesma envergadura de Jô, dificilmente, o Corinthians conseguirá repetir as atuações que o levaram à conquista do título do Brasileirão pela sétima vez em sua história. Fica uma dúvida: será Kazim o dono do posto ou a diretoria terá de desembolsar milhões para suprir tal ausência? Dizem que há uma negociação por Henrique Dourado, do Fluminense, também artilheiro do Brasileirão. Vamos ver...

Na Gaveta

Lucas Lima tem talento de sobra para comandar o meio de campo do Palmeiras nesta temporada. Com a falta de jogadores habilidosos e talentosos, o meio-campista, que brilhou no Santos, tem totais condições de voltar a mostrar todo o brilhantismo que o consagrou e, inclusive, o levou a vestir a camisa da seleção brasileira. Se a turma do amendoim alviverde tiver paciência e deixar, ele se transformará no novo Ademir da guia palestrino.


Compartilhe:

SOBRE Marcelinho Carioca: Tá lá!

Depois de deixar os gramados, coloquei como meta realizar mais um sonho do meu pai, o senhor Adilson Surcin - que sempre me incentivou aos estudos -, e conquistar mais um título este ano: o diploma de jornalista. Tenho orgulho em ser o primeiro ex-jogador de futebol do país a alcançar esse objetivo. Pai, "TÁ LÁ!" Essa conquista é pra você!