Diário de S. Paulo

13/01/2018 - 16:40

Menos, Maia

Caciques do Democratas veem com cautela os movimentos do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para pavimentar sua candidatura à Presidência. A avaliação de integrantes da cúpula do partido é de que o deputado se cacifou como "nome forte" para a disputa presidencial graças a decisões "acertadas" e o "equilíbrio" na relação com o Palácio do Planalto. Por outro lado, no entanto, analisam nos bastidores que é "precipitação", por exemplo, dizer que Maia conta com equipe montada e já programara agenda de viagens para concorrer ao Planalto em outubro.

Contraofensiva

Rodrigo Maia se apressou em revidar críticas do Governo à Câmara pelo rebaixamento da nota de crédito pela agência Standard & Poor's em mensagem velada ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Fogo cruzado

Congressistas acentuam as críticas a Meirelles por "relegar ao segundo plano" a política econômica enquanto articula a candidatura à Presidência. É o mesmo tom das críticas à condução dos trabalhos legislativos à Maia - também presidenciável - por ministros palacianos.

Atraso

Apesar dos avanços da Lei de Acesso à Informação (LAI), governos estaduais - como do Ceará - mantêm sob sigilo quantas pessoas usam e quanto é gasto mensal com cartões corporativos.

Pouco caso

Por falar em acesso à informação, a Coluna insiste, há dias, em obter os dados detalhados dos gastos do Governo com publicidade da Previdência. A Secretaria de Comunicação da Presidência faz pouco caso do pedido.

Mais uma

Condenada por não assinar a carteira de um trabalhador que ficava até 15 horas por dia a serviço dela, a quase-ministra do Trabalho, Cristiane Brasil (PTB-RJ), é autora de um projeto que dificulta o uso do patrimônio de sócios de uma empresa para pagar dívidas. A parlamentar inclusive apresentou a proposta ao ministro da Casa Civil Eliseu Padilha. O texto aguarda a instalação de uma comissão especial para debatê-lo na Câmara.

Adversários

No encontro com Padilha, Cristiane pediu que o Governo enviasse ao Congresso um projeto de lei para reestruturar as carreiras de auditores do trabalho e reajuste salarial para a categoria. O Sindicato Nacional dos Auditores fez intensa oposição à reforma Trabalhista e, em recente assembleia, decidiu ampliar a mobilização contra a reforma da Previdência.

Sem agenda

O governador do Rio Grande do Sul, Ivo Sartori, não quer papo com deputados petistas que insistem no pedido de audiência para discutir as mobilizações do dia 24, durante o julgamento do ex-presidente Lula.

Elite

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), se queixa: "Manifestações de que o governador pretende mobilizar atiradores de elite para estarem nos prédios em torno do TRF4 são despropositadas e não contribuem em nada com esse processo"


Compartilhe:

SOBRE Leandro Mazzini

Começou no jornalismo em 1996. Passou por Jornal do Brasil, Correio do Brasil, Gazeta Mercantil, Agência Rio de Notícias entre outros. Assinou o Informe JB de 2007 a 2011. Foi colunista do JB e da Gazeta.