Diário de S. Paulo

05/01/2018 - 18:08

Temer emprega aliado

Em mais um capítulo da distribuição de cargos a aliados, o presidente Michel Temer indicou Carlos Edilson de Almeida Maneschy para gestor de fundos, incentivos e atração de investimentos da Sudam, a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia. Maneschy é do grupo do senador Jader Barbalho no PMDB e disputou a eleição para prefeito de Belém, no Pará, em 2016. Com 75 mil votos, não passou para o segundo turno, quando, curiosamente, apoiou o deputado Edmilson Rodrigues, do PSOL. A Sudam, que já foi extinta por casos de corrupção inclusive envolvendo Jader, tem um orçamento pomposo. Nos últimos 10 anos injetou mais de R$ 22 bilhões em incentivos e convênios.

Reforma

O líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), jura que Temer não fala em reforma ministerial após a saída de três ministros em menos de um mês. Mais 12 chefes de pastas devem deixar os cargos até abril para disputar as eleições.

Molusco

O Avança Brasil, movimento que esteve à frente de manifestações pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, também prepara protesto no dia do julgamento do ex-presidente Lula em Porto Alegre. "Pela condenação do Molusco Lula", convocam pelas redes sociais.

Fio da navalha

O Brasil está no fio da navalha, avalia o Instituto tucano Teotônio Vilela. Em "carta de mobilização", o ITV bate e afaga o governo Temer ao pontuar que, em 2017, "o país viu-se melhor refletido no espelho e a alquimia fiscal deu lugar ao realismo".

No páreo

O nome do ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, já circula como provável substituto de Henrique Meirelles no comando da Fazenda, que deixa a pasta nos próximos meses para se aventurar na disputa presidencial. Ex-secretário executivo do Planejamento, Dyogo Oliveira foi efetivado no cargo em maio de 2017; substituiu o senador Romero Jucá (PMDB-RR) que caiu após revelação de diálogos em que sugeria um "pacto" para barrar a Operação Lava Jato.

Sigilos

Proposta de Emenda à Constituição de autoria do senador Cristovam Buarque (PPS-DF) quer abrir os sigilos bancário, fiscal e patrimonial de todos os candidatos a cargos públicos - de vereador a presidente.

Pela aprovação

Já há parecer pela aprovação na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado. Os dados, no entanto, só seriam abertos para os órgãos de controle e fiscalização. A intenção, segundo Cristovam, é "moralizar a política".

Os Sertões

O nome do escritor e jornalista Euclides da Cunha será incluído no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria. O projeto que homenageia o autor de "Os Sertões" já foi aprovado pelo Congresso e aguarda sanção presidencial para entrar em vigor.

Em Arraial

Sobre a confusão na praia de Arraial D'Ajuda, a Coluna reforça o publicado anteriormente de que o deputado Robério Negreiros (PSDB) não participou da briga, segundo relata. O parlamentar afirma que seu cunhado foi vítima de agressão por quatro homens de uma casa vizinha cuja família foi expulsa do condomínio após a confusão. Segundo o condomínio, a família vizinha foi notificada sobre "atos não permitidos" no local.


Compartilhe:

SOBRE Leandro Mazzini

Começou no jornalismo em 1996. Passou por Jornal do Brasil, Correio do Brasil, Gazeta Mercantil, Agência Rio de Notícias entre outros. Assinou o Informe JB de 2007 a 2011. Foi colunista do JB e da Gazeta.