Diário de S. Paulo

27/12/2017 - 11:04

Mais que beleza, ter talento e história

Um bate papo depois das fotos

Foto: Jorge Beirigo

Depois de uns cliques, o diretor e fotógrafo Jorge Beirigo conversa com o modelo Guilherme Cruz.

Nome: Guilherme Cruz Rodrigues

Idade: 31

Natural de Mogi das Cruzes

Formação: atuação e Educação física

Atualmente trabalha como ator, modelo e personal training

Meta: estudar e se lançar como músico

Cruz, sofreu um acidente de moto no qual o deixou em coma 9 dias 6 meses na cama, perdendo 30 quilos e não conseguindo andar. Esse acidente aconteceu pouco tempo antes de um grande trabalho que ele iria fazer em Paris para uma das maiores grifes do Mundo.

Jorge: - O que esse acidente representou na sua vida? O que você aprendeu com ele?

Um recomeço, uma nova chance. É uma fragilidade que enrijece e revigora gradualmente ao amanhecer de cada dia. Aprendi a abrir portas intrínsecas com palavras chaves tais como: perseverança, resistência e resiliência. Deixou eu mais humano

Jorge: - Você pensou em desistir da carreira depois do acidente?

As cicatrizes e os ferimentos me levaram a pensar na desistência, mas agi ao contrário. Comecei a estudar teatro, que foi libertador, trouxe muito solo para eu pisar com mais firmeza.

Jorge: - Sabemos que a beleza ajuda abrir portas, você aproveitou desta situação?

Essa situação só acontece para que tem beleza!

Jorge: - O ator ele tem que ser "sarado" e a atriz "gostosa"?

Ator tem que ser flexível, no sentido mais profundo da palavra.

Jorge: - Fale de sua última peça em cartaz.

A peça é intitulada "Caio em Mim". É um estudo sobre o Caio Fernando Loureiro de Abreu, um jornalista, dramaturgo e escritor brasileiro.

Faço o Sargento Garcia do livro "Morangos mofados".

Jorge: - O que é ser artista?

É ser humano na sua máxima potência

Jorge: - Você esta se preparando para ser um artista completo. Se formou como ator e agora esta estudando música. Quais suas referencias musicais?

Gosto de dizer que sou pra música o que o João Luccas, meu filho, é pra vida. Um garotinho engatinhando ao encontro do novo, que ensaia seus primeiros passos. Sou eu em busca dos primeiros acordes. Escuto muito Djavan, Caetano Veloso, Rosa de Saron, Victor e Leo, Jota Quest, Capital Inicial, LuLu Santos, entre outros.

Jorge: - Defenda a música!

Que pai não defenderia teu filho e que filho não defenderia o pai ?

Jorge: - Faz tudo pela arte?

Tudo aquilo que a arte me permite

Jorge: - Sua beleza é indiscutível, mas a sua educação é incrível. Vem de família?

Minha família, minha base

Jorge: - Agora você é Pai. O que mudou?

O amor ficou mais amplo e ganhou mais significados

Jorge; - Café, cerveja ou conhaque?

Café da meu Bichao (esposa)

Jorge: Pra quem ou pra qual situação você dedicaria essa frase: "Eu não fui programado pra jogar seu jogo"?

Pra todos e para todas as situações das mais simples a mais complexas. Eu não fui programado a jogar o teu jogo, mas me adapto a tua programação e jogo pra vencer.

Jorge: - Uma frase pra fechar a entrevista :

" Meu coração é um anjo de pedra com asa quebrada."

Caio F


Compartilhe: