Diário de S. Paulo

30/12/2017 - 21:04

Deslizamento de terra mata criança de 10 anos

Tragédia ocorreu após fortes chuvas atingirem casas no domingo. Segundo Prefeitura de Mauá, moradores de região invadida já haviam sido alertados sobre o risco e receberam notificação para deixar as residências

Foto: Reprodução

Uma criança de 10 anos morreu em um deslizamento de terra na manhã de ontem, no Jardim Kennedy em Mauá, na Grande São Paulo. Ao menos duas casas foram derrubadas e um adulto ficou ferido. Segundo a Defesa Civil, o deslizamento pode ter alguma relação com as chuvas que atingiram a região no domingo.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, um menino de 10 anos e um homem, pai dele, que moravam em uma das residências que desabaram, foram soterrados.

Os bombeiros conseguiram resgatar as duas vítimas, mas o garoto André de Almeida Santos morreu por parada cardiorrespiratória. Os agentes ainda tentaram reanimá-lo, mas não conseguiram.

O pai da criança, Cleber Alecsander dos Santos, foi retirado da terra com vida e socorrido com escoriações pelo corpo. Ele foi levado ao hospital da cidade e, segundo informações da prefeitura, recebeu alta.

Dentro do imóvel ainda estavam mais cinco pessoas, a mãe do menino e outros quatro filhos. Eles, no entanto, sobreviveram porque não foram atingidos pela terra.

O deslizamento ocorreu próximo à Rua Elis Bertolino dos Santos, que é uma área onde há invasões e construções irregulares. Cerca de 300 famílias vivem nesta região, na periferia de Mauá, em situação de risco. A prefeitura informou que planeja construir prédios populares próximos ao local do deslizamento para retirar os moradores.

Na mesma região, na Rua Osvaldo Elias, ocorreu outro deslizamento que causou o desabamento de um imóvel. Nesse local, entretanto, não havia vítimas. A residência estava em chamas e o fogo foi apagado pelos bombeiros.

POSICIONAMENTO/Em nota, a prefeitura de Mauá disse estar à disposição das famílias afetadas pelo deslizamento.

De acordo com a administração municipal, já foi disponibilizado às duas famílias que perderam as residências o bolsa-aluguel. "Agentes sociais estão percorrendo a região com objetivo de auxiliar os moradores do local", afirmou em nota.

A prefeitura disse ainda que o deslizamento ocorreu em uma área "considerada de risco há mais de 10 anos e que foi ocupada de forma irregular". Segundo a administração, a Defesa Civil já havia notificado as famílias para deixarem as casas.

"Porém, os residentes da região permanecem instalados na área de risco, que é monitorada permanentemente pela Defesa Civil", informou./ Com informações do G1


Compartilhe: