Diário de S. Paulo

25/12/2017 - 17:47

Na TV, Temer defende reforma e põe pressão

Em discurso natalino, presidente falou sobre a Previdência na Argentina e jogou a responsabilidade aos parlamentares: 'Tenho certeza que eles não faltarão ao Brasil'

Foto:

Em pronunciamento à nação, Michel Temer fez, na noite de domingo (24), uma retrospectiva do ano. O presidente aproveitou para voltar a defender a aprovação da reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados.

Citando a Argentina, que, apesar de grandes protestos populares, aprovou, na última terça-feira, mudanças nas regras para aposentadoria, Temer disse acreditar que os parlamentares "não faltarão ao Brasil".

"Quero dizer uma palavra sobre a reforma da Previdência: não é uma questão ideológica ou partidária, é uma questão do futuro do país e para garantir que os aposentados de hoje e os de amanhã possam receber suas pensões", disse Temer. "Tenho plena convicção de que nossos parlamentares darão o seu voto e o seu aval para que isso também aconteça aqui. Tenho certeza que eles não faltarão ao Brasil", acrescentou o presidente.

Para Temer, 2017 foi um ano de "grandes desafios" e de "conquistas importantes". Em cadeia nacional de rádio e televisão, o presidente afirmou que seu governo não adotou "modelos populistas" e conseguiu "resgatar" o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e ampliar programas sociais, além de recuperar a economia.

"O risco Brasil diminuiu e os investimentos estão de volta. A Bolsa de Valores registra alta seguida de alta. O Produto Interno Bruto (PIB) também. A safra agrícola quebra recordes. A inflação está abaixo do piso. A balança comercial atingiu um superávit histórico. A indústria e o comércio dão sinais claros de revitalização", destacou Temer.

"Daqui para a frente, com a reforma trabalhista, o número de vagas, como tudo indica, será cada vez maior. Enquanto isso, já conseguimos baixar os preços dos alimentos e aumentar o poder de compra dos brasileiros. Está mais barato para comer, para vestir, para morar. Está mais barato para viver."

O presidente finalizou a sua fala dizendo ainda que o momento é de "esperança" e "otimismo" para os próximos anos, com uma situação geral mais favorável.

"Estamos abrindo as portas para um 2018 de mais estabilidade, de mais empregos, de mais realizações. E agradeço a Deus por permitir que eu divida este momento com vocês", encerrou o presidente em sua fala natalina.


Compartilhe: