Diário de S. Paulo

04/12/2017 - 17:05

Diogo Nogueira fala sobre primeiro CD 100% autoral

Cantor mostra que o talento para música está no sangue. Em 'Munduê', o sambista busca levar um pouco mais de humanidade para as pessoas

Por: Priscila Freitas
[email protected]

Foto:

João Nogueira: sambista, compositor, músico e dono de uma voz marcante. João se dedicou ao samba de sua adolescência até os últimos dias de sua vida - o cantor morreu em 2000 aos 58 anos - porém, o legado de sua história permaneceu vivo e foi herdado por Diogo Nogueira, seu filho. Hoje, após dez anos de carreira, Diogo lança seu primeiro CD 100% autoral e mostra que o samba está mesmo no DNA da família Nogueira. Ao DIÁRIO, o cantor falou um pouco dessa emoção de apresentar um novo trabalho e de como é carregar esse legado do pai por onde passa.

É maravilhoso uma realização dessa depois de dez anos! É um disco comemorativo, são canções de uma década de carreira, é muito especial", afirma Diogo, que revela o motivo de ter esperado tanto tempo para um CD só com músicas compostas por ele. "Olhei para mim e para minha história e resolvi colocar isso dentro desse trabalho".

Intitulado de "Munduê", o álbum conta com 14 faixas das mais variadas formas do samba. O projeto gráfico também seguiu para um caminho mais conceitual e foi feito na comunidade quilombola São José da Serra, a mais antiga do Rio de Janeiro. Para o cantor, "Munduê", mostra um pouco mais de humanidade e delicadeza a um mundo viciado em fórmulas gastas de entretenimento. "Como um grito de tambor ancestral".

Inspiração/ Rabiscar letras de músicas e transformá-las em hits de sucesso não é algo que possa ser feito por qualquer mortal. Isso demanda talento e inspiração. Diogo Nogueira levou dois anos para reunir tudo que escreveu em dez anos de estrada e revelou onde está esse "espírito da composição". "Vem da vida do cotidiano. A inspiração está no ar e tem momentos em que ela se encontra em você", diz o artista, que precisou escolher entre 100 composições para finalizar o novo disco.

"A gente nunca imagina como as coisas vão acontecer e tudo na minha vida aconteceu com naturalidade, sempre com muito carinho. E assim, naturalmente, percebi que era o momento de um CD autorial, deixo o universo agir em minha vida", enfatiza.

Há dez anos, quando Diogo decidiu que não seria jogador de futebol e sim cantor, muitos não acreditaram em seu talento, até o criticaram, mesmo carregando no DNA a voz marcante e o talento para o samba de seu pai porém, isso nunca foi empecilho em sua vida. Hoje, ele se tornou referência no meio. "Apenas tive a sorte e o carinho de manter um trabalho e um legado. Nunca fiquei me preocupando com que as pessoas estavam pensando, estar aqui é um privilegio, a minha realidade tem sido mostrada desde o primeiro momento da minha carreira. Não tenho nada que provar pra ninguém".


Compartilhe:

SOBRE Nas ondas do Rádio

Priscila Freitas é jornalista por paixão, repórter e colunista de música do Diário de S. Paulo. Para ficar ainda mais conectado no que acontece no mundo da música, fique de olho nas publicações da coluna Nas Ondas do Rádio. Na coluna e no Blog é possível acompanhar os novos artistas, por onde anda aquele cantor ou grupo que tanto gosta e quem é o dono da voz daquele hit chiclete. Não perca!