Diário de S. Paulo

11/09/2017 - 19:16

Pivô de polêmica, Cueva pede desculpa a Rodrigo Caio

Reapresentação é marcada por reuniões de elenco e diretoria

Por: Samuel Alves Rodrigues
[email protected]

Foto: /Nelson Coelho/Diário SP/9-9-2017

O treino do São Paulo na tarde desta segunda-feira (11), no CT da Barra Funda, estava marcado para começar às 15h30. Apesar disso, a atividade comandada por Dorival Júnior com o grupo de jogadores foi iniciada depois das 17h. O motivo? O dia foi utilizado para lavar roupa suja no clube, que ocupa a 19ª colocação no Brasileirão.

As reuniões começaram por volta das 14h. Isolados do restante do elenco, Rodrigo Caio e Cueva conversaram durante dez minutos para acertar os ponteiros. Criticado pelo zagueiro na semana passada, o peruano criou polêmica após o empate por 2 a 2 contra a Ponte Preta, no Morumbi. Sem falar com a imprensa, o meia deixou o estádio claramente chateado com o companheiro: "Perguntem para o Rodrigo", disse. Em entrevista nesta segunda, ele se desculpou.

"Falamos por WhatsApp e, hoje, conversamos. Foi bom. Depois de tudo, nós também falamos com o grupo. Mas quero falar que o erro foi meu. Disseram o que o Rodrigo falou de mim, não escutei ele falar, só vi a imprensa... Peço desculpas ao meu companheiro, que é um cara legal", explicou o peruano.

Na sequência, motivados pela comissão técnica, os atletas tricolores tiveram uma longa conversa, que adiou o começo do treinamento de reapresentação.

A cúpula são-paulina também se reuniu no CT da Barra Funda. Presente nas dependências do clube, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, recebeu alguns membros da diretoria, que visitaram o cartola para demonstrar apoio. Com isso, Dorival não corre o risco - até este momento - de ser demitido do cargo de treinador.

COBRANÇA/ Além de tudo isso, uma das torcidas organizadas do clube pediu uma reunião com o grupo de atletas para questionar o momento atravessado pela equipe. O São Paulo ainda não se posicionou quanto à solicitação. Cueva falou sobre isso.

"A torcida está no direito dela (de pedir a reunião). Também passam por um momento duro. Só queremos que seja uma conversa para somar. Nada além disso", disse.


Compartilhe: