Diário de S. Paulo

08/09/2017 - 16:57

'Não há nenhuma rusga', diz Doria ao lado de Alckmin

Durante entrega de imóveis em Paraisópolis, prefeito reafirmou não ter problemas com o padrinho político por causa da 'guerra fria' em torno da candidatura à Presidência

Foto: /Alexandre Carvalho/A2img

O prefeito João Doria voltou a dizer que "não há nenhum distanciamento" ou "rusga" em sua relação com o governador Geraldo Alckmin. A afirmação foi feita nesta sexta-feira (8), durante o segundo dia seguido de agendas públicas conjuntas dos tucanos, após distanciamento de Doria em eventos do governo durante a semana.

O prefeito e o governador participaram, na manhã desta sexta, da entrega dos 112 aparamentos na comunidade de Paraisópolis, Zona Sul.

"Não há nada que nos afaste um ao outro. O governador faz uma excelente gestão no estado, nós, nestes oito meses, estamos fazendo um grande esforço, uma boa equipe. E estamos dando hoje, aqui, mais uma demonstração de ação conjunta e assim continuaremos", afirmou Doria.

Já o governador não retribuiu os elogios, limitando-se a dizer sobre as ações do governo feitas em parceria com a Prefeitura. Questionado se a sintonia se estendia à área política, Alckmin disse :"política também. Estamos juntos".

A relação deles passou a ser alvo de especulações após troca de indiretas em entrevistas. Em uma delas, Alckmin disse que gostaria de ser o "presidente do povo". Doria, por sua vez, afirmou depois: "Geraldo tem todo o direito de anunciar que vai disputar a Presidência da República, mas os tempos caminham".

Apesar de não anunciar oficialmente sua candidatura à Presidência, o prefeito fez nove viagens pelo país em agosto, a maioria pelo Nordeste onde recebeu títulos de cidadão em câmaras municipais. Enquanto isso, o governador foi a três municípios.

Alckmin é padrinho político de Doria e foi responsável por abrir caminho para o prefeito dentro do PSDB durante as prévias para as eleições municipais no ano passado.

HABITAÇÃO/ Após seis anos de espera, 112 moradias foram entregues às famílias de Paraisópolis. A obra, uma parceria entre governo e Prefeitura (dona do terreno), teve investimento, inclusive por parte do governo federal, de R$ 11,9 milhões.

Os beneficiados, que em 2011 foram despejados do terreno ocupado e passaram a receber auxílio-aluguel de R$ 400, vão pagar uma parcela de R$ 140 pelo apartamento. As moradias têm cerca de 43 m².


Compartilhe: