Diário de S. Paulo

22/08/2017 - 16:15

Doria exalta emprego e bate no PT

Ao ser homenageado pelo CIEE, prefeito reafirmou a importância de se criar vagas no Trabalho Novo

Por: Assinatura / cidade
@diariosp.com.br

Em encontro ontem na sede do CIEE (Centro de Integração Empresa Escola), onde foi recebido em almoço para receber o Troféu Integração, o prefeito João Doria aproveitou para reforçar seu projeto Trabalho Novo.

A uma plateia de cerca de 80 pessoas e que contava com figuras como Ozires Silva, Luiz Fernando Furlan, Alencar Burti, Almir Pazzianotto e Alex Periscinoto, entre outros, Doria discorreu sobre seu trabalho, com ênfase nas áreas de educação e capacitação. O prefeito destacou o Trabalho Novo, projeto que busca viabilizar empregos para moradores em condição de rua por meio de parcerias. Ele exaltou a necessidade de se gerar emprego no país.

"A maior coisa que podemos fazer é dar emprego às pessoas. Isso significa dar cidadania também. É a salvação para muita gente, é a chance de mudar o destino dessas pessoas. Por isso apelo a todos que possam ajudar. Que seja um emprego, que sejam cinco, dez. Estarão fazendo um bem não só à pessoa, a si mesmo, como também à cidade de São Paulo e ao país".

O prefeito também aproveitou para falar de política. "Já fizemos bastante coisa, mas há muito por se fazer. A cidade de São Paulo é grande em todos os sentidos, há muitas demandas, e temos trabalhado firmemente para isso".

"Apesar de termos recebido uma herança (do PT) com buracos, não só nas vias mas sobretudo nas finanças, com um déficit de R$ 7,5 bilhões, estamos tentando equacionar. E como fazemos? Por meio de parcerias com o setor privado. Pois afinal de contas não temos dinheiro. Felizmente as parcerias têm sido muito frutíferas. São pessoas que querem o bem do próximo e o bem da cidade".

O prefeito paulistano não perdeu a oportunidade de dar uma alfinetada no PT e principalmente em seus líderes. "Deixaram esse rombo e o Lula quer falar em ser o salvador do Brasil?! Como assim?! Isso não cola. Para cima de mim, não! Que tente esse discurso com seus companheiros ou com o pessoal que anda por aí com tornozeleira eletrônica ou na Papuda"


Compartilhe: