Diário de S. Paulo

18/08/2017 - 18:03

Governador e prefeito negam racha tucano

Para Doria e Alckmin, peça partidária não fez críticas diretas à gestão Temer

Por: Assinatura / cidade
@diariosp.com.br

Foto: Daniel Guimarães/a2img

O prefeito João Doria e o governador Geraldo Alckmin, ambos do PSDB, negaram um racha interno no ninho tucano após a polêmica peça publicitária veiculada pelo partido na semana passada.

Leia mais:

Exclusivo: Doria fala sobre prévias e projetos para SP

Na propaganda, exibida na última quinta-feira, a legenda afirma ter errado ao aceitar como "natural" a "cooptação" e a "troca de favores" de políticos em vez de focar "na verdadeira necessidade do cidadão brasileiro".

Até para caciques do PSDB o vídeo, na verdade, foi uma crítica ao governo Michel Temer. Ministros tucanos se posicionaram contra o programa.

Para Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), a propaganda foi "um tiro no pé" do PSDB e acabou por ofender "fortemente" a legenda. Já o presidente interino do partido, senador Tasso Jereissati (CE), disse não se arrepender "de nada" veiculado.

"Não se refere a governo A ou B. É uma constatação. O modelo político partidário brasileiro exauriu, está falido e nós precisamos mudar. É uma crítica importante. O primeiro passo para você melhorar, para você mudar, é reconhecer que há um problema", opinou Alckmin, neste sábado (19), durante inauguração do Sesc 24 de Maio, no Centro de São Paulo, ao lado do afilhado político Doria.

O prefeito destacou que a peça não faz crítica direta à gestão Temer. "A crítica é sempre construtiva, a crítica não é separatista. Aliás, o senador Tasso Jereissati fez essa observação. Ele não fez uma crítica direta ao presidente Michel Temer nem ao governo Michel Temer", afirmou. "Ele fez essa ressalva. Não há ruptura. Há um entendimento de que nós podemos melhorar, aperfeiçoar, mas sempre com serenidade e equilíbrio."

Alckmin quer ser o nome do PSDB às eleições presidenciais. Especula-se que Doria também esteja na corrida. Ele nega e defende que as prévias tucanas comecem neste fim de ano (leia mais nas págs. 2 e 3).

 


Compartilhe: