Diário de S. Paulo

18/05/2017 - 16:31

Peppino di Capri celebra 60 anos de carreira com show em SP

Cantor relembra sucessos e traz novidades musicais 

Por: Mônica Araújo
[email protected]

Foto:

Há menos de um ano de sua passagem pelo Brasil, percursor do gênero twist em terras italianas, o músico Peppino di Capri comemora 60 anos de carreira em show saudosista neste sábado (20), no Espaço das Américas.

O cantor, que já abriu show para os Beatles, vem de uma família de músicos e o fato de ter crescido em meio à guerra e inúmeros instrumentos - aos seis anos fez uma apresentação para as tropas americanas tocando piano -, não surpreendeu a ninguém ao decidir seguir a mesma profissão de seu pai e avô. 

"Em casa, ao invés de brinquedos, eu fui presentado com piano. Com quatro anos eu já tocava algumas músicas americanas e sem dúvida a influência dos meus familiares foram determinantes", conta Peppino.

Conhecido pelos sucessos "Champagne", regravada por vários músicos de todo o mundo, "Roberta" e "Un Grande Amore e Niente Più", Peppino começou a carreira no rock, estilo que estava em alta naquela época, mas foi no romantismo italiano que o músico encontrou o seu lugar: "Todo mundo tem um jeito de se expressar, na juventude eu experimentei o rock americano, com o tempo percebi que a música romântica se adaptava melhor a minha voz e eu cantava com mais emoção", revela ele.

Apaixonado por clássicos de Frank Sinatra, o cantor italiano também admite gostar de dois cantores brasileiros: "Admiro muito Chico Buarque e Roberto Carlos". Peppino também que deseja fazer alguns trabalhos com eles e afirma gostar na mesma proporção de cantoras brasileiras. "As músicas do Brasil têm muito prestígio na Itália", elogia o artista.

O cantor, que deseja fazer um musical em homenagem aos 60 anos de carreira, perdeu as contas de quanto shows já fez no Brasil e diz sentir algo especial quando se apresenta aqui. "Me sinto vivo! As pessoas lembram de 'Champagne'... É uma honra, um sinal de que o trabalho não se perdeu no tempo".

Com um mercado que a cada dia lança novos gêneros musicais, Peppino acredita que o seu trabalho se manteve por falar de amor. "É uma linguagem universal, um fio condutor direto e indestrutível que liga as pessoas. O amor é mágico!", conclui.


Compartilhe: